Ainda não há comentários

Amoris Laetitia – Parte I

“A Bíblia aparece cheia de famílias, gerações, histórias de amor e crises familiares, desde Adão e Eva, com seu peso de violência,mas com a força da vida que continua (cf.Gn 4), até as últimas páginas, em que aparecem as núpcias da Esposa e do Cordeiro (cf. Ap 21, 2-9). As duas casas de que fala Jesus, construídas ora sobre a rocha, ora sobre a areia (cf.Mt 7,24-27), representam muitas situações familiares, criadas pela LIBERDADE dos que nelas habitam”(n.8).
A figura familiar que Deus nos deixou encontramos nos dois primeiros capítulos de Gênesis “Deus criou o ser humano à sua imagem,à imagem de Deus o criou. Homem e mulher ele os criou”(1,27). “Por isso deixará o homem o pai e a mãe, se unirá à sua mulher, e eles serão uma só carne”(2,24).(n.9,10)
“A ti está ligada minha alma”(Sl 63/62,9),desse modo,evoca-se a união matrimonial não apenas na sua dimensão sexual e corpórea, mas também na sua doação voluntária de AMOR. O fruto desta união é ” tornar-se uma só carne”, quer no abraço físico, quer na união dos corações e das vidas e, porventura, no filho que nascerá dos dois e, em si mesmo, há de levar as duas “carnes”, unindo-as genética e espiritualmente.(n.13)
A Bíblia considera a família também como o local da catequese dos filhos. Eis como um Salmo exalta o anúncio familiar da fé: “O que nós ouvimos,o que aprendemos,o que nossos pais nos contaram, não ocultaremos aos seus filhos; mas vamos contar as gerações seguintes as glórias do Senhor,o seu poder e os prodígios que operou. Ele estabeleceu uma regra em Jacó,pôs uma lei em Israel;ordenou a nossos pais que ensinassem a seus filhos, para que tomasse conhecimento a geração seguinte, a dos filhos que vão nascer, que por sua vez dirão a seus filhos” (Sl 78/77,3-6). Por isso a família é o lugar em que os pais se tornam os primeiros mestres da fé para seus filhos.(n.18)
Os pais têm o dever de cumprir, com seriedade, a sua missão educativa. Os filhos são chamados a receber e praticar o mandamento “honra teu pai e tua mãe”(Ex 20,12). Com efeito, “quem honra seu pai intercederá pelos pecados, evitará cair neles e será ouvido na oração cotidiana. Quem respeita sua mãe é como alguém que ajunta tesouros”(Eclo 3,3-4).(n. 17)
O Evangelho lembra-nos também que os filhos NÃO são propriedade da família, mas espera-os o seu caminho pessoal de vida. Se é verdade que Jesus Se apresenta como modelo de obediência a seus pais terrenos, submetendo-se a eles (cf. Lc 2,51), também é certo que Ele faz ver que sua escolha de vida do filho e a sua propria vocação cristã podem exigir uma separação para realizar a entrega de si mesmo no Reino de Deus (cf.Mt 10,34-37).(n.18)
Com esse olhar feito de fé e amor, de graça e compromisso, de família humana e Trindade divina, contemplamos a família que a Palavra de Deus confia nas mãos do marido, da esposa e dos filhos, para que formem uma comunhão de pessoas que seja imagem da união entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo.(n.29)
A família é o alicerce da vida cristã,sejamos corajosos e serenos diante dos desafios familiares, buscando sempre na Palavra de Deus o sustento da fé!

Fernanda Barros
Pascom-NSC

Publicar um comentário